40 DIAS COM O ESPÍRITO SANTO – DIA 32

Por

Dia 32 – O Espírito Santo pode ser blasfemado

13 de Maio de 2018 – Domingo

A BLASFÊMIA CONTRA O ESPÍRITO SANTO não será perdoada (Mt. 12.13). Essa é, indiscutivelmente, a passagem mais aterrorizante no Novo Testamento. É chamado de pecado imperdoável porque não há perdão para alguém que blasfema contra o Espírito Santo. Muitos pastores têm em suas congregações pessoas de todas as idades que temem ter cometido tal pecado. De tempos em tempos, recebo mensagens em meu Twitter de pessoas as quais receavam que tivessem blasfemado contra o Espírito Santo. Geralmente são de pessoas que estavam em batalha contra a tentação sexual e cederam.

O que é blasfêmia contra o Espírito Santo? Primeiramente, não é nenhum pecado contra a Lei Moral (Os Dez Mandamentos). Não é avareza, roubo ou falso testemunho. Não é cometer assassinato ou adultério. O Rei Davi tanto matou quanto adulterou, e foi perdoado. O “pecado imperdoável” é cometido quando há um veredito ou a decisão final de alguém que, em relação ao Evangelho, reage com desprezo ao testemunho do Espírito Santo. Jesus Cristo é o Deus que se fez carne, assumindo totalmente a nossa humanidade. Portanto, uma pessoa BLASFEMA contra o Espírito Santo ao NEGAR, de maneira final, que Jesus é Deus em Carne –  ou dizendo que Jesus tem um espírito maligno. No relato do Evangelho de Marcos, está escrito: “Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca terá perdão: é culpado de pecado eterno”. E Marcos, então, acrescenta que “Mas qualquer que blasfemar contra o Espírito Santo, nunca obterá perdão, mas é réu de eterno pecado. Jesus disse isso porque alguns afirmavam: Está possesso de Espírito imundo” (Mc 3.29,30-ECA, cf. Mt 12.30-32). Como se pode saber que não cometeu o pecado imperdoável? Se você pode testificar do fundo de seu coração, com absoluta convicção, que Jesus Cristo é Deus, não se preocupe mais.

Assisti a uma conferência no Youtube na qual os oradores se divertiam com certas pessoas que caíam sob o poder do Espírito Santo e davam gargalhadas. Ironicamente, alguns desses oradores riam enquanto assistiam a vídeos de pessoas que estavam rindo a gargalhadas. Um dos oradores também escreveu que falar em línguas é coisa do vodu. Esta é uma postura perigosa. É quase o mesmo que dizer que o Espírito Santo é maligno. Contudo, não penso que aquele homem tivesse a intenção em dizer isso. Mas foi decepcionante assistir àqueles homens rindo de cristãos sinceros, e ler aquilo a que eu acabei de me referir. Eu prefiro não afirmar que aqueles homens, estavam zombando, blasfemaram contra o Espírito Santo. Mas era aterrorizante o que eles estavam fazendo.

Em minha antiga congregação, em Ashland, Kentucky, convidávamos evangelistas para virem duas ou três vezes por ano para realizar encontros de avivamentos –  missões que geralmente duravam duas semanas cada. Era comum que o ministro pregasse sobre blasfêmia contra o Espírito santo pelo menos uma vez –  geralmente na última noite – quase matando as pessoas de medo. Eu não me lembro, porém, de ter escutado sequer uma vez, algum ministro explicando exatamente o que era o pecado imperdoável – nem como poderia ser cometido. Receio que isso tenha sido usado algumas vezes como estratégia para fazer a pessoas correrem para o altar, com medo de cometerem esse pecado e inevitavelmente irem para o inferno.

Ainda, tive pessoas, na Capela de Westminster, que vinham me procurar preocupadas de terem blasfemado contra o Espírito Santo. Um estimado homem – que tinha uma fé sólida – lembrou-se de uma vez, antes que fosse convertido, em que ele disse: “Maldito Espírito Santo”. Depois de sua conversão, ele leu os relatos sobre a blasfêmia contra o Espírito Santo. E, embora ele estivesse fielmente servindo ao Senhor, esse incidente o atormentava. Quando o mostrei que blasfemar contra o Espírito Santo é manifestar desprezo pelo testemunho do Espírito Santo apontando para a pessoa de Jesus, ele foi liberto e nunca mais se preocupou com isso. Eu repito: se você pode dizer do fundo do seu coração que Jesus Cristo é Deus, você não cometeu esse pecado. O apóstolo Paulo disse que nenhuma pessoa pode dizer “Jesus é o Senhor” a não ser pelo Espírito Santo (1 Co 12.3).

Poderíamos dizer que Ananias e Safira blasfemaram contra o Espírito Santo, já que Pedro afirmou que eles aviam mentido ao Espírito Santo e foram instantaneamente mortos? Não. Eles eram crentes que foram tomados pela ganância. Isso pode acontecer a qualquer um de nós. Não existe nenhum indício de que tenham questionado a pessoa de Jesus. Eles caíram mortos porque intencionalmente mentiram acerca do dinheiro na presença imediata e direta do Espírito Santo.  Deus fez deles um exemplo para mostrar a responsabilidade que nós temos quando Ele está presente, nesse nível. Se o Espírito Santo retornasse à Igreja nesse nível de poder – como eu mesmo espero que venha um dia -, nós podemos esperar que esse tipo de coisa aconteça novamente.

Se você (como um crente nascido de novo) pode dizer do fundo do seu coração: “Jesus é o Senhor”, é porque você tem o testemunho do Espírito Santo. Você não blasfemou contra Ele.

Para ampliar seu estudo e crescimento: Mateus 12.30-32; Marcos 3.23-30; 1 Coríntios 12.1-3; 1 João 5.6,17.

(Texto Extraído do Livro “40 Dias com o Espírito Santo – Andando Diariamente com o Espírito Santo- Uma jornada para experimentar Sua presença de uma maneira fresca e nova” – R. T. KEDALL)

 

share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *